segunda-feira, 20 de agosto de 2018

Porque Aprender Música?



É tão interessante, mas desde a antiguidade grega os benefícios do aprendizado da música já eram conhecidos. A estrutura melódica que era usada, na época, na educação das crianças é a mesma que fascina todas as idades equase todas as civilizações no decorrer da história.

Nos países desenvolvidos, desde os tempos remotos até os dias de hoje, o aprendizado da música foi e é imprescindível para a educação das crianças.

Os benefícios do aprendizado musical são incalculáveis. Basta fazer uma rápida busca na internet e você se perderá com tantos estudos que comprovam esses benefícios.

As atividades musicais planejadas e bem orientadas, nas mãos de profissionais especializados e competentes, são tão poderosas que promovem transformações importantes da formação da personalidade do indivíduo.

Quanto mais cedo uma pessoa tem a oportunidade de estudar música, maiores serão os benefícios, porém a idade não é um obstáculo. Estudos comprovam que a música é capaz de promover conexões neurais em idosos, o que se acreditava não ser mais possível com o avanço da idade.

O aprendizado de música favorece significativamente o desenvolvimento de vários  
aspectos como linguagem, crescimento cognitivo, interação social, capacidade de comunicação e de expressão, criatividade, observação, concentração e habilidades motoras.

Várias áreas do cérebro são ativadas ao mesmo tempo quando se toca um instrumento musical. Utiliza-se cálculo, leitura, coordenação motora com movimentos diferentes nas mãos e nos pés, o sentido da audição, tato e visão também são exigidos, além da expressão, do prazer e o sentimento que automaticamente está inserido na atividade.

As aulas de música são extremamente estimulantes para o intelecto das pessoas. Segundo vários estudos, o aprendizado musical aumenta a área ativa do cérebro, tendo como consequência o aumento da inteligência.

Nenhuma outra atividade da vida humana requer tantos fatores trabalhados ao mesmo tempo, além de ser muito prazeroso. Por isso, aprender a tocar um instrumento musical ou cantar é a mais rica e agradável forma de desenvolvimento global que se pode proporcionar para alguém em qualquer idade.


Além de tudo isso, também é amplamente discutido os benefícios da música na saúde física, mental e espiritual.
As inúmeras experiências dos profissionais da área comprovam que as aulas de música também ajudam muito as pessoas com transtornos psicológicos e doenças neurológicas.

A música exercita nosso cérebro de maneira única e envolve praticamente todas as regiões cerebrais que se conhece. 

Existem evidências suficientes para afirmar que a experiência musical muda nosso cérebro permitindo que as pessoas pensem de forma diferente e treina várias habilidades cognitivas não relacionadas à música.

-STELA MARCIA

terça-feira, 12 de junho de 2018

Violão, uma Viola grande

Você sabia que o nome Violão surgiu como o aumentativo de Viola?

Isso mesmo! Ao longo dos meus anos como professor de música muitos alunos me perguntam o porquê do nome Violão.

Neste artigo vamos ver a origem desse nome e um pouco do que há em comum entre a Viola, a Guitarra e o Violão.

Uma das hipóteses para a origem do Violão é que ele seria derivado do Alaúde Árabe, que deu origem à Guitarra Mourisca e também da Guitarra Latina, derivada da Khetara Grega, que conviviam no mesmo período na Europa, mais exatamente na Espãnha, surgindo aí um novo instrumento chamado simplesmente de Guitarra.
 
Guitarra Mourisca
                                                 

Esse novo instrumento começou a ser propagado em outros países, como a Itália e a França, e caiu de vez no gosto dos europeus.

Já em Portugal, existia outro instrumento chamado de Viola Portuguesa, da qual deu origem a nossa Viola Caipira e quando os portugueses tiveram contato com a Guitarra Espanhola, se percebeu que os instrumentos eram muito parecidos, porém a Guitarra era maior e mais robusta que a Viola, portanto um Violão.
 
Viola Portuguesa

Desde então, em alguns países de língua portuguesa, adotou-se o nome Violão para esse instrumento, já em outros ele é conhecido como Guitarra Clássica.
 
Violão

No Brasil utilizamos o termo Guitarra, para a famosa Guitarra Elétrica, que é derivada do Violão, e Viola para a nossa Viola Caipira.
 
Guitarra Elétrica
 

Viola Caipira
 
 
É interessante perceber como esses instrumentos se misturam tanto na sua anatomia como na sua etimologia fazendo com que o instrumentista tenha certa afinidade com ambos e acabe se interessando em praticá-los.

Apesar de o repertório ser um dos pequenos pontos que os diferencia, hoje em dia, eles se misturam nas composições, nas gravações e também nos palcos, cada um com sua característica e beleza própria.
-Prof. JOÃO PAULO ARAÚJO
 

quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

Trítono

Chamamos de Trítono o intervalo de três tons que existe entre a 3ª e a 7ª de um determinado acorde.

Essa distância de três tons, causa aos nossos ouvidos uma sensação desagradável, o que chamamos de Dissonância.

O acorde em questão é o acorde V7, que nos confere um caráter de tensão, que exige resolução.

Sua resolução poderá ser tanto no acorde "Maior" quanto no acorde "menor", como podemos observar no exemplo abaixo.

Ex:



O Trítono, por ser um intervalo dissonante, era proibido de ser tocado na Idade Média, onde recebeu o nome de "diabolus in musica" pois sua sonoridade desarmônica, dita até então, não representava a perfeição de Deus que se traduzia em sons harmônicos.

Hoje em dia usamos o Trítono em quase todos os estilos musicais, sendo que em alguns, praticamente em todos os acordes, como o Blues e o Jazz.

- Prof. JOÃO PAULO ARAÚJO